quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Emergindo


Sabe aquela sensação de quando a gente sai debaixo d'água depois de muito tempo sem respirar? Eis meu suspiro e compartilho com vocês, deliciem-se:

"Deixo tudo assim, não me importo em ver a idade em mim
Ouço o que convém, eu gosto é do gasto
Sei do incômodo e ela tem razão quando vem dizer
Que eu preciso sim de todo o cuidado

E se eu fosse o primeiro a voltar pra mudar o que eu fiz?
Quem então agora eu seria?
Ah, tanto faz, e o que não foi não é
Eu sei que ainda vou voltar mas eu, quem será?

Deixo tudo assim, não me acanho em ver vaidade em mim
Eu digo o que condiz, eu gosto é do estrago
Sei do escândalo e eles tem razão quando vêm dizer
Que eu não sei medir nem tempo e nem medo

E se eu for o primeiro a prever e poder desistir do que for dar errado?
Ah, ora se não sou eu quem mais vai decidir o que é bom pra mim
Dispenso a previsão

Ah, se o que eu sou é tambem o que eu escolhi ser aceito a condição
Vou levando assim que o acaso é amigo do meu coração
Quando fala comigo, quando eu sei ouvir."

(Los Hermanos - O velho e o moço)

Pare e pense: será que a Palavra de Deus tá só naquele livrinho preto? Eu penso que tá na boca do povo e ele nem sabe.
Tenham um tempo bom!
Beijos

Um comentário:

Jean Francesco disse...

Olá Juliane,
Essa música é fantástica, se estivesse na Palavra de Deus com certeza seria uma ilustração do cap. 3 de Eclesiastes (eu uso às vezes).

Obrigado pela visita, gostei muito do seu comentário; vi que você também escreve "devaneios" ótima palavra! hahaha

Agente vai se escrevendo,

Jean